Notícias

Unicamp realiza Planejamento Estratégico em tempos de pandemia.

Publicado em 08/09/2020


 

Autor:Teresa Dib Zambon Atvars(Coordenadora Geral da Universidade)  Milena Pavan Serafim(Assessora CGU)/

Edição de imagem:Renan Garcia

 

A Unicamp adotou o Planejamento Estratégico como uma forma de realizar reflexões periódicas sobre seu papel, avaliando sua atuação e tentando projetar e planejar seu futuro. Este processo ocorre como parte de um exercício da Autonomia plena. Este processo vem se aperfeiçoando ao longo do tempo. Mais recentemente incorporou metodologias para escolher projetos alinhados aos objetivos estratégicos, desenvolveu procedimentos para o acompanhamento dos mesmos e vem tendo sucesso nas entregas de resultados. Pode-se, por isto, afirmar que o desenvolvimento de projetos alinhados aos objetivos estratégicos, baseados em metodologias adequadas com boas formas analíticas de mensuração de resultados tem um enorme potencial para alavancar o desenvolvimento institucional, concentrando esforços nas estratégias que nos levem a alcançar a Universidade que queremos. Isto, entretanto, somente pode ocorrer no cenário da Autonomia plena de gestão acadêmica, financeira e orçamentária. Se a Unicamp é hoje a segunda melhor universidade da América Latina, é porque vem exercitando com competência sua Autonomia. Para visualizar alguns dos projetos implantados a partir de 2017, bem como os resultados alcançados, consulte: www.cgu.unicamp.br

A Unicamp adotou um ciclo quinquenal de planejamento estratégico, que ocorre ao término do processo de Avaliação Institucional, também quinquenal. Neste sentido, ao concluir a Avaliação Quinquenal 2014-2018, inicia o ciclo de revisão do planejamento que gerará o Planes 2021-2025. Para isto irá adotar a metodologia aplicada em processos anteriores, que se encontra já bastante difundida e consolidada na instituição.

Em tempos de normalidade, pensar o Futuro da nossa instituição é uma prática necessária e que define o conjunto de decisões a serem tomadas em coerência com o planejado. Mas o presente momento é de absoluta anormalidade e analisarmos nossos possíveis cenários se torna essencial. A pandemia impôs um conjunto de "disrupturas", que estão alterando significativamente nossas vidas pessoais e a vida da nossa instituição. A pergunta de todos é de como será o cenário pós-pandemia, como as instituições reagirão a ele e como se prepararão para um contexto de incertezas ampliadas. Este é um dos desafios que buscaremos tratar na revisão do nosso planejamento.

A metodologia que adotaremos envolve as etapas de revisão da Identidade Organizacional, realização de um diagnóstico sobre a situação atual baseado na Avaliação Institucional, a definição dos novos objetivos estratégicos e o desenvolvimento das estratégias, com seus indicadores e métricas a serem atingidas (ver o esquema a seguir). O aprimoramento da identidade institucional, com a revisão da Missão, Valores e da Visão de futuro da instituição será feito na primeira etapa. Neste processo serão envolvidos todos os membros do Conselho Universitário. Além disto, haverá webinários de especialistas em Educação Superior que ajudarão a pensar a Universidade do Futuro e o Futuro da Universidade.

Uma vez revista a Identidade Organizacional, haverá uma etapa de Diagnóstico (análise de ambiente) e este é um dos elementos fundamentais do planejamento. O método que empregaremos buscará identificar por meio de uma análise sistemática os pontos fortes (S – strength) e as oportunidades (O – opportunities) que se apresentam para a instituição. Vários destes pontos fortes da Unicamp foram identificados pelo Comitê Internacional de Avaliação Institucional. A instituição precisa reconhecer também os seus pontos fracos (W – wicknesses) e as ameaças (T - threats), quer oriundos do ambiente interno, quer do ambiente externo.

Nesta etapa de diagnóstico serão envolvidos todos os membros do Conselho Universitário assim como convidados que possam contribuir com a discussão de assuntos específicos. Como fruto da Avaliação Institucional e dada a natureza ampla das atividades da Unicamp, foram definidos 6 grandes temas: 1. Ensino, 2. Pesquisa, 3. Extensão, 4. Saúde, 5. Gestão, 6. Desenvolvimento de Pessoas. Assuntos transversais como a Sustentabilidade, a Comunicação, a Interdisciplinaridade, a Internacionalização e outros serão abordamos em todos os temas.

A análise de ambientes nos permite criar cenários e, a partir destes, em conjunto com a Identidade Organizacional, será constituído o novo Mapa Estratégico da Unicamp. O Mapa Estratégico é uma “das formas de representação das relações de causa-efeito dos componentes da estratégia da organização e que mostra como os objetivos se inter-relacionam e como são mensurados.1,2 Ele apresenta as estratégias institucionais pelas quais a organização se engajará. No modelo que adotamos estão descritos os principais stakeholders para os quais a Unicamp desenvolve suas atividades de ensino, pesquisa e extensão e os principais objetivos, aos quais os projetos se vinculam, materializando assim o planejamento estratégico. Ao serem definidos os novos Objetivos Estratégicos, altera-se o Mapa Estratégico da instituição. Hoje a Unicamp dispõe de um mapa assim, explicitando os objetivos que conformam resultados para a Sociedade, os objetivos que visam o alcance da Excelência Acadêmica e os objetivos visando a Excelência na Gestão, todos alinhados com os pilares da universidade digital, da sustentabilidade (e adotamos a Agenda 2020 dos ODSs), da eficiência e da transparência. Para a etapa de definição dos Objetivos Estratégicos deverão participar todos os membros do CONSU e os (as) diretores(as) executivos(as).

Fixados os Objetivos Estratégicos e identificados os principais beneficiários das atividades da Unicamp, é necessário fixar-se indicadores, com metas e métricas para se mensurar se os objetivos estão sendo alcançados ao longo do tempo, até que um novo ciclo se implante. Para compor as discussões desta etapa (definição de indicadores, metas e métricas) serão envolvidos os membros do CONSU e convidados de órgãos administrativos.

A organização das discussões para planejamento se dará por meio de oficinas de trabalho gerais conduzidas e apoiadas por técnicos e contarão com materiais de apoio. O grupo técnico também sistematizará as informações geradas e as disponibilizará para posterior aprovação. Sob condições normais estas oficinas de trabalho são presenciais. Entretanto, neste novo normal de atividades, a equipe técnica (docentes e técnicos) mais uma vez inovou e adaptou todo o processo para ser executado remotamente. Este é mais um exemplo de capacidade adaptativa dos profissionais da Unicamp, que foram ágeis e capazes de transformar em remotas as reuniões de trabalho.

As etapas previstas e o cronograma estão no esquema a seguir. Será uma fase de intensas atividades, e esperamos contar com a ampla participação neste momento de tão grandes desafios para a universidade pública brasileira.

Equipe

Professora Teresa Dib Zambon Atvars

Professora Milena Pavan Serafim

Professora Ana Maria Carneiro

Eloísa Caldeira Durães

Emerson José Ferri

Gláucia Beatriz de Freitas Lorenzetti

Marcelo Phaiffer

Myrian Cristina de Freitas Lorenzetti

Teresa Helena Portela Freire de Carvalho

 

 

1 - Kaplan & Norton, 1997. A estratégia em ação: balanced scorecard. Gulf Professional Publishing.

2 - Shuangmiau & Zhong, 2015. "Strategy maps in university management: A comparative study". Educational Management Administration & Leadership, vol. 43 n.6, Nov, 2015, pp. 939-953.
Imagem de capa