Perguntas

1 – Como descartar cartuchos e toners utilizados?

R: A Prefeitura Universitária, por meio da Diretoria de Limpeza Urbana, realiza a coleta de cartuchos e toners usados nas Unidades/Órgãos da UNICAMP. A solicitação de coleta deverá ser feita por meio de abertura de Ordem de Serviço (OS) no site http://dma.prefeitura.unicamp.br/consulta_os.html . Tais cartuchos e toners deverão estar embalados adequadamente nas próprias caixas ou em caixa de papelão e ser armazenados separadamente dos demais materiais recicláveis (papel, plástico, vidro e metal).

2 – Como dispor de recipiente contendo resíduo de tinta seca?

R: A – No caso do solvente da tinta original ser a base de água, deverá ser feita a lavagem da lata, podendo o resíduo resultante da lavagem ser despejado de forma diluída no esgoto e a lata/galão ser encaminhada para reciclagem. B. No caso do solvente da tinta original ser outro (sintético, a base de petróleo, dentre outros), o resíduo fica caracterizado como perigoso e deverá ser encaminhado com a embalagem (lata/galão) para a incineração.

3 – Quais os códigos do sistema de cadastro de materiais da BEC-SP para bombonas certificadas?

R: Com o intuito de facilitar a aquisição de bombonas certificadas, a Célula Operacional de Resíduos – COR criou um lista com os códigos do sistema BEC-SP. Para consultar Clique Aqui.

4 – Como destinar resíduos que contém amianto em sua composição?

Há normalização específica para a UNICAMP quando tratar-se de ações referente a este resíduo, segue endereço eletrônico da Resolução GR 03/2009 para leitura e atendimento. Primeiramente, cabe ressaltar que os principais resíduos que contém amianto em sua composição dentro da Universidade são: divisórias (wall ou similar) e telhas. Para o planejamento da destinação deste resíduo, disponibilizamos o presente formulário  (clique aqui)   a ser preenchido pela sua unidade/órgão com as informações sobre o resíduo específico. Neste formulário existe a necessidade de informar o peso do resíduo, para isto segue dica abaixo: Quanto a telhas: verifique o modelo e seu tamanho. Posteriormente, orientamos que entre no site do fabricante para ver o peso da respectiva telha e assim realizar o calculo do peso total, multiplicando o valor encontrado no fabricante pelo número estimado de telhas que você tem, não importando se a mesma está quebrada. Este valor de referência obtido será seu peso total de resíduo contendo amianto para destinação final ambientalmente adequada. Quanto a divisórias: calcule seu peso médio para saber a quantidade de resíduos a ser destinado. Cálculo – Divisória contendo amianto (wall ou similar): cada divisória mede 1,20m x 2,50m e pesa aproximadamente 105 kg. Para calcular o peso total multiplique a quantidade de divisórias x 105 kg. O resultado será o peso total aproximado de amianto para descarte.Orientamos ainda, que você procure o órgão responsável pela fiscalização ou realização dos serviços dentre a Divisão de Manutenção (DM) da Prefeitura Universitária ou Coordenadoria de Projetos e Obras (CPO), (no caso de não ter sido nenhuma das duas, procure a DM), com o formulário preenchido em mãos, para que avaliem se seu resíduo é classificado como passivo ou ativo. Após a conclusão destas etapas, encaminhar o formulário original preenchido, contendo a avaliação da DM ou CPO, juntamente com a anuência do Diretor de sua Unidade/Órgão ao Grupo Gestor Universidade Sustentável – GGUS, a/c. Srta. Gislaine para que possa ser planejada a futura destinação final ambientalmente adequada do resíduo.

5 – Como descartar as lâmpadas que contém vapor de mercúrio na Unicamp?

Para sua Unidade/Órgão descartar as lâmpadas queimadas que contém vapor de mercúrio (lâmpadas fluorescentes, mistas, vapor de sódio e vapor metálico) na Unicamp é necessário abrir uma ordem de serviço junto a Divisão de Meio Ambiente no site da Prefeitura Universitária, http://dma.prefeitura.unicamp.br/bug_report_page.php?project_id=1, solicitando o recolhimento das lâmpadas. As lâmpadas a serem recolhidas devem estar embaladas, de preferência, nas embalagens das lâmpadas que as substituíram.

6 – Como descartar pilhas e baterias portáteis na Unicamp?

Para você disponibilizar sua pilha e bateria portátil na Unicamp, a Universidade disponibilizou 16 pontos de coletas. Estes pontos estão instalados nas seguintes Unidades/Órgãos: CCUEC, CEB, CEMEQ, DGA, FCM, FEA, FEC,FEEC, FEM, FEF, FUNCAMP, IA, IB, IFGW, FEAGRI, HC.

7 – Como devo proceder para descartar óleo vegetal (cozinha) na Unicamp?

Antes de encaminhar o óleo à DMA, a pessoa responsável deverá abir OS no link http://dma.prefeitura.unicamp.br/bug_report_page.php?project_id=1 informando no campo “Descrição da Solicitação”: Origem do óleo e quantidade aproximada. Após, o solicitante deverá encaminhar o óleo acondicionado em recipientes plásticos, com tampa e bem fechados. Cabe salientar que a DMA não coleta óleo vegetal, que deverá ser trazido pelo solicitante até nosso depósito.

8 – Qual o papel do facilitador ou gestor local?

O facilitador ou gestor local é o servidor técnico responsável pelo gerenciamento local dos resíduos, cujas atribuições são: atualizar o passivo de resíduos da sua Unidade/Órgão; atualizar as planilhas eletrônicas de resíduos de geração contínua da sua Unidade/Órgão; prestar informações sobre o gerenciamento local de resíduos; organizar o plano local de gerenciamento de resíduos norteado pelo plano institucional; ser a pessoa de contato com o Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS); e, dar subsídios para os ajustes entre o plano institucional (PGR) e o plano local de gerenciamento de resíduos (PGRL).

9 – Como descartar mantas ou similares de lã de vidro ou lã de rocha?

a) A Unidade/Órgão deverá fazer uma avaliação inicial em conjunto com a equipe técnica que fiscaliza a obra (GGO, DM, própria Unidade), se há alguma contaminação da lã de vidro ou lã de rocha com algum resíduo químico considerado perigoso, se houver; manter contato com o GGUS por intermédio de Ordem de Serviço,   informando  qual o produto químico contaminante para que possamos informar qual a disposição final a ser adotada. Se não houver esta contaminação poderá seguir as etapas abaixo;

b) A Unidade/Órgão deve contratar um transportador para levar o resíduo, acondicionado em caçamba, para um aterro Classe II licenciado pela CETESB, (na nossa região temos conhecimento do aterro da empresa ESTRE em Paulínia Tel.: (19) 3984-9244) e para isso deve contatar a empresa responsável e proprietária do aterro Classe II que informará as empresas transportadoras que são cadastradas junto a ela. Com essa informação o órgão poderá realizar o procedimento para licitação/contratação, lembrando que o custo do transporte já deverá incluir a disposição no aterro classe II consultado.

c) O resíduo de lã de vidro ou lã de rocha deve ser acondicionado em caçamba do transportador estando o resíduo ensacado ou não; para isso será necessária mão de obra própria ou terceirizada para realizar este serviço inicial, que deverá ser providenciada pela Unidade/Órgão. Quanto à manipulação para o acondicionamento, retirada e posterior carga do resíduo, sugerimos que seja consultado o SST/DGRH para orientação quanto aos EPI’s necessários;

d) No dia do transporte do resíduo pela empresa contratada para o aterro classe II, um funcionário da Unidade/ Órgão deverá acompanhar a carga com veículo da UNICAMP até a destinação final, para que a UNICAMP tenha certeza que este resíduo está sendo destinado adequadamente. Informamos que a legislação prevê que a carga (caçamba) deverá estar coberta com lona ou rede para que possa transitar pelas rodovias sendo também obrigação do gerador cobrar isso do transportador.

e) Cabe salientar que o resíduo em questão, não é passivo, portanto a Unidade /Órgão deverá dar a destinação adequada e correta ao resíduo, com recursos próprios.